“É importante que exista alguma identidade entre as joias, que elas vivam por si”
Data de Publicação: 03.02.2023

Estas são as palavras de Maria João Bahia quando fala sobre as suas coleções. Para a artista o trabalho de oficina é fascinante e confessa que tem joias que a fazem “sentir muito bem”.

Que coleções destaca? 

Ao longo destes anos, como imaginam, tenho imensas coleções. Para mim, é importante que exista alguma identidade entre as joias, que elas vivam por si. Tenho algumas joias que me fazem sentir muito bem. 

Como funciona o processo criativo das suas peças? 

Depende se a joia tem cliente ou não. Se tiver, faço sempre um briefing com o cliente, para perceber o que pretende, budget e objetivo que tem para a joia. Só depois começamos a desenvolver o conceito e o trabalho. Segue-se todo um trabalho de escolha de pedras e outros materiais. Depois de aprovado o desenho final e a maquete do trabalho, passamos à fase de execução. Se não tenho cliente, é um processo diferente. A joia pode ser desenvolvida à volta de uma pedra preciosa ou de uma pérola. Neste caso, as pedras têm uma presença tão forte que todo o trabalho cresce de uma forma orgânica, muito natural. 

Leia a entrevista completa subscrevendo a JoiaPro LUXURY.

Categoria: Destaque | Entrevistas

Outro artigos que lhe podem interessar:

Lebond e Souto Moura juntos em nova parceria

Lebond e Souto Moura juntos em nova parceria

Continuando a expandir a sua aventura de relógios desenhados por arquitetos, a Lebond revelou o seu mais recente relógio com o vencedor do Prémio Pritzker de Arquitetura de 2011, Eduardo Souto Moura. O novo relógio explora os limites da modernização de uma silhueta de relógio clássica.

Schaumburg-Lippe conquista Portugal

Schaumburg-Lippe conquista Portugal

Orgulhoso das suas raízes e um fã incondicional de Portugal, York Prince de Schaumburg-Lippe partilhou connosco as origens e os objetivos da sua seletiva marca de joias e relógios.

Share This