Van Cleef & Arpels apresenta dez novas pregadeiras da coleção Ballet Précieux
Data de Publicação: 12.06.2023

Combinando o gosto pela beleza e a harmonia na sua procura pela excelência, a Van Cleef & Arpels encontrou na dança uma fonte infinita de criatividade que se torna cada vez mais rica a cada década que passa. A arte do ballet impregna as figuras femininas da Maison de graciosidade, delicadeza e movimento.

Este ano, a Van Cleef & Arpels presta homenagem a esta fonte de inspiração através da criação de um verdadeiro corps de ballet: um conjunto de pregadeiras de Alta Joalharia que amplia a coleção lançada em 2007 e evoca famosas obras românticas e clássicas. Os movimentos delicados, os trajes elegantes e a rica ornamentação são fielmente transcritos. As silhuetas são realçadas com ouro e pedras preciosas, cada acabamento atesta o know-how e a atenção meticulosa aos detalhes pelos quais a Van Cleef & Arpels é reconhecida.

“O ballet clássico como fonte de inspiração tornou-se uma tradição importante na Van Cleef & Arpels. Iniciada há mais de 80 anos, inspirou a criação das pregadeiras de bailarina da Maison na década de 1940. Quintessência da arte do movimento, a dança encontra um eco na joalharia, que interpreta o imediatismo dos gestos e das posturas nos materiais mais preciosos. Desde o esboço preliminar até à escolha ponderada das pedras, desde a escultura da cera até à modelação do metal, dar vida a estas figuras femininas é um esforço coletivo realizado por um conjunto de artesãos que trabalham em uníssono”, revela Nicolas Bos, presidente e CEO da Van Cleef & Arpels.

THE VAN CLEEF & ARPELS CORPS DE BALLET

Perpetuando uma tradição criativa privilegiada, a Maison apresenta dez pregadeiras de bailarina em homenagem a diferentes bailados do repertório clássico ou às bailarinas de renome que neles dançaram. Ecoando Giselle, A Bela Adormecida ou O Pássaro de Fogo, estas figuras esguias são agraciadas com trajes e adornos meticulosamente concebidos e trabalhados.

A Maison recorreu a todo o seu know-how para criar estas coreografias cintilantes e selecionou uma paleta de pedras preciosas que cumprem os seus critérios de excelência. Beneficiando das habilidades dos artesãos especializados da Van Cleef & Arpels, cada peça é primeiro esculpida manualmente a partir de um bloco de cera verde. Esta etapa essencial da criação das figuras femininas da Maison permite ao joalheiro estudar a forma da pregadeira em três dimensões. Através da observação e de um trabalho artesanal muito preciso, o artesão consegue assim reproduzir na cera o movimento gracioso do corpo e as ondulações delicadas do tecido. Uma vez finalizado o modelo, a cera é derretida para dar origem a uma peça de ouro que será terminada e polida à mão. Em seguida, é engastada com pedras preciosas cuidadosamente selecionadas que iluminam a figura com um toque de radiância ou uma nota de cor.

Caronne: Um ballet romântico por excelência, Giselle conta a história de um amor condenado. A obra é sobre Albrecht e Giselle, uma personagem feminina inspirada numa das bailarinas mais proeminentes da época, Carlotta (Caronne) Grisi. A pregadeira Caronne presta homenagem a esta dançarina, que foi a primeira a representar o papel de Giselle em público, em 1841. A sua saia em ouro estriado, engastada com linhas verticais de diamantes, evoca os tutus em tule diáfano típicos do ballet romântico. O seu estilo elegante e discreto é realçado por tons contrastantes de ouro que evocam o tecido cintilante do seu traje, e pelas pedras preciosas em forma de pera intercaladas no busto e nas sapatilhas de ballet.

Chant du Rossignol: Esta pregadeira faz alusão à ópera Canção do Rouxinol, baseada no conto homónimo de Hans Christian Andersen. Encenada pela primeira vez em 1914 na Ópera de Paris, com música de Igor Stravinsky, a obra combina várias esferas de interesse que têm sido importantes para a Maison desde a sua criação: dança, natureza e outras culturas. A obra é aqui evocada através de uma figura feminina graciosamente equilibrada en pointe. O seu corpete em ouro engastado com pedras preciosas alarga-se num tutu, radiantemente polido para reforçar a aparência das pregas. Os mesmos tons quentes emanam da fita no seu cabelo, do pássaro pousado no seu braço esquerdo delicadamente dobrado e das suas sapatilhas de ballet. Os pormenores são trabalhados numa cor de ouro diferente, utilizando uma técnica tradicional que consiste em “reservar” estes elementos – por outras palavras, protegê-los com uma camada de esmalte – e a silhueta em ouro branco é revestida a ródio.

Vera: Inspirado no famoso ballet O Pássaro de Fogo, criado em 1910 com música de Igor Stravinsky, esta pregadeira evoca as cores vivas da encenação criada pelos Ballets Russes de Serge Diaghilev. Vera Fokina, a primeira dançarina a desempenhar o papel de Princesa Tsarevna, apareceu com um impressionante traje coberto de penas amarelas e cor de laranja. Nesta pregadeira, estas são evocadas pelo ouro gravado que irradia para as bordas da saia. O efeito das penas é realçado por linhas verticais alternadas de diamantes e safiras coloridas e pelos rubis vermelhos brilhantes que pontuam a silhueta. As mesmas tonalidades são combinadas no corpete, com fitas delicadamente cruzadas que conduzem o olhar para o rosto da bailarina, representado por um diamante rosa lapidado.

Maria: Um grande número de artistas trabalhou em conjunto para criar Parade, uma obra coletiva em um ato apresentada em maio de 1917 pelos Ballets Russes no Théâtre du Châtelet, em Paris. Notavelmente, o cenário foi criado por Pablo Picasso. Esta pregadeira – que recebeu o nome da bailarina Maria Chabelska, que foi a primeira a interpretar o papel de “Little American Girl” – também sugere o universo extravagante do ballet, que contava com acrobatas e mágicos, bem como com figurinos desenhados por Picasso. Isto reflete-se nas pedras preciosas engastadas em estrela que formam o padrão da saia, bem como nos diamantes longos e retangulares lapidados que compõem as franjas. O traje da dançarina é completado por numerosos acessórios, nomeadamente pulseiras de punho, um colar e um precioso toucado. Esta joia revive a tradição dos adornos que embelezavam as bailarinas criadas pela Van Cleef & Arpels desde os anos 40.

Spectre de la rose: Esta pregadeira que floresce diante dos nossos olhos foi inspirada na coreografia livre e etérea do bailado O Espírito da Rosa (1911). Os folhos nos ombros e a amplitude do tutu, composto por pétalas em camadas, dão um relevo notável a esta mulher-flor que faz lembrar uma rosa. A delicadeza dos seus movimentos é percetível tanto na posição assimétrica das suas mãos como na das suas sapatilhas de ballet cravejadas de diamantes. São utilizadas várias técnicas para reforçar a impressão de leveza que emana desta silhueta. As pedras nevadas de diferentes tamanhos são montadas na saia para cobrir o metal precioso e reforçar a impressão de cor, enquanto um polimento espelhado impregna o corpete de um brilho intenso, de modo a parecer captar as luzes do palco.

Mathilde: Captada em movimentos graciosos e espontâneos, esta bailarina transcreve a personalidade travessa de Columbina, a amante de Arlequim, célebre personagem da Commedia dell’arte. O seu traje emblemático inspirou os motivos que adornam o vestido desta dançarina, e que se encontra estruturado com triângulos e losangos: alguns são engastados com diamantes, enquanto outros cintilam com o brilho do ouro polido espelhado. O contraste de materiais continua com a fita amarrada no cabelo e com a alternância de contas douradas e motivos de diamantes na bainha da saia. As sapatilhas de ballet em ouro branco, também engastadas com diamantes e uma esfera reluzente na parte superior, são prolongadas por delicados atacadores gravados à volta dos tornozelos. Esguia e elegante, a silhueta da bailarina faz lembrar a de Mathilde Kschessinska, a célebre bailarina que interpretou Columbina em Les Millions d’Arlequin, um bailado de Marius Petipa.

Carnaval de Venise: Numa postura intrinsecamente dinâmica, esta bailarina executa um passo de dança chamado “relevé retiré”. As suas tonalidades contrastantes prestam homenagem ao Carnaval de Veneza, célebre pela sua riqueza de trajes diferentes e pela originalidade das suas máscaras. O ouro amarelo foi delicadamente moldado para reproduzir o aspeto das suas luvas, as franjas da sua saia e a curva das suas sapatilhas de ballet. A radiância do metal precioso parece ser realçada pela intensidade do esmalte utilizado para adornar a sua máscara, o seu cinto e a parte superior das suas luvas. Um último toque de cor é dado pelas pedras preciosas que brilham na ponta das suas sapatilhas e no pendente do seu colar.

Petrouchka: O ballet Petrushka (1911) de Igor Stravinsky conta a história de um mágico que dá vida a três bonecos ao som encantador da sua flauta. Um deles é uma bailarina que simboliza a graciosidade e a beleza inacessível. Aqui, ela é evocada pelo casaco justo e pela saia larga que caracterizam o seu traje. Um olhar mais atento revela vários pormenores, com destaque para as diferentes pedras preciosas que marcam as linhas do seu casaco e o móbile no centro do seu busto, acompanhando o movimento de quem o usa. O tutu faz lembrar o tule diáfano e em cascata devido à sucessão de superfícies pavimentadas, fileiras brilhantes e pormenores cintilantes e recortados.

Adage à la rose: Uma homenagem ao ballet A Bela Adormecida, que estreou em 1890 e foi inspirado no conto de fadas homónimo de Charles Perrault, esta bailarina Adage à la rose alude a uma cena do Ato I. Após os seus pretendentes a presentearem com uma rosa, a Princesa Aurora executa uma dança lenta e harmoniosa com cada um deles: um adágio. Nesta pregadeira, o movimento parece fluir da ponta das sapatilhas curvas da bailarina até aos seus braços elegantemente esguios, com um efeito acentuado pela trajetória das linhas dos diamantes. As alças do seucorpete e o padrão da sua saia fazem lembrar as rendas delicadas, enquanto a bainha de safiras rosa evoca subtilmente a cor da rosa.

Ludmila: Em 1837, um poema de Alexander Pushkin inspirou Mikhail Glinka a criar a ópera Ruslan e Ludmila. Assim como o personagem principal desta obra, a dançarina desta pregadeira  usa uma coroa composta por pontas em ouro amarelo que se estendem para o céu. A mesma estética também emana do decote e da parte superior da saia, ambos com adornos em ouro amarelo. Os mesmos desenham um contraste, em relevo, com os diamantes engastados e granulados que pavimentam o resto de seu traje e a sua silhueta meticulosamente polida em ouro branco.

Categoria: Novidades

Outro artigos que lhe podem interessar:

SevenFriday apresenta novo T2/07 T-Riley

SevenFriday apresenta novo T2/07 T-Riley

O T2/07 T-Riley é a mais recente adição à divertida série T. Com antecessores como o T-Tiger, T-Beach Club e T-Cocorico, “pode esperar nada menos do que um relógio que lhe coloca um sorriso no rosto!”

Share This